Skip to content

Fanfic Last Sacrifice – Capítulo 52

08/14/2011

Olá pessoas!! Vocês ainda lembram de mim? Olha sem comentários… Essa semana que passou foi tirana! Tudo que poderia ter acontecido aconteceu e por isso eu não consegui postar o capítulo antes como eu gostaria. Mas não se preocupem que eu não vou dar furo em vocês de novo. O capítulo 52 está aqui e com aquela característica clássica que vocês adoram.. uma mistura de grandes emoções.

Preparados? Valendo!

Para ler capítulos anteriores, clique aqui

.

Fanfic Last Sacrifice (by Little) – Capítulo 52

De repente eu estava sentada no chão de um quarto encaixotando coisas que pareciam pertencer a Adrian, coisas em que Daniella ainda não havia tido coragem para mexer. Diante de uma pequena estante repleta de livros e cadernos de anotações, eu estava certa de que logo terminaria meu serviço, pois tudo que eu precisava fazer era separar os itens frágeis dos não frágeis. Porém, conforme eu fui mexendo entre os livros, encontrei um porta-retratos com a foto de duas pessoas sorrindo com suas cabeças levemente encostadas, ambas mascaradas. Eu conhecia as máscaras bem como os sorrisos, afinal um deles era meu. Tratava-se de eu e Adrian, prontos para furar a cerimônia secreta organizada pela elite Moroi para homenagear os mortos de um dos ataques de Strigois. Eu realmente não me lembro de ter tirado foto alguma naquele dia, mas era difícil acreditar nisso quando eu a tinha nas mãos, fazendo meu coração apertar conforme eu deslizava meu dedo sobre a pessoa ao meu lado. Respirando fundo para não me deixar abater, eu tentei ignorar o aperto no peito e dei seguimento ao meu trabalho.

“Frágil”, eu disse ao depositar dentro da caixa correspondente o pequeno objeto que segurava. Foi então que eu vi que algo estava errado, porque, bem, havia uma janela próxima dali e ao olhar por ela eu enxerguei uma praia! Mas que diabos? Eu estava tão desorientada tentando dar sentido àquilo que não percebi inicialmente uma figura solitária parada diante do mar, de costas para mim. Um Moroi. Para ser mais exata, Adrian.

Era uma tarde ensolarada de verão, mas o sol não parecia ser uma ameaça a ele. O vento soprava forte, mas ainda assim era agradável. A paisagem me fez lembrar de uma das vezes em que Adrian invadiu meu sonho, levando-me a uma praia alegando que era a única forma de ele não ser queimado pelo sol e poder apreciar seu calor, apesar de eu suspeitar que era somente um motivo para que vestíssemos poucas roupas e Adrian pudesse correr os olhos pelas curvas do meu corpo.

Anos depois, cá estávamos novamente em um sonho na beira do mar. Desta vez, porém, nossas roupas não pareciam ter sido escolhidas a dedo, até mesmo porque elas não faziam diferença alguma. Quando se tem algo mais valioso do que roupas para construir o cenário perfeito, quem se importa com o figurino, não é mesmo? E nós tínhamos mais. Nós tínhamos história e por essa razão eu me senti compelida a me aproximar, mesmo sabendo que tudo o que estava diante de mim era fruto do luto que eu ainda estava vivendo. Eu precisava vê-lo mais uma vez.

Adrian virou-se para mim antes que eu dissesse seu nome, parecendo saber que eu estava a apenas alguns metros de distância. Nos seus olhos não estava a alegria de sempre, mas uma expressão reservada, insegura. Seria impressão ou ele estava me estudando com receio, temendo minha reação? Quando ele desviou brevemente o olhar, eu percebi o quanto ele estava se sentindo vulnerável e aquilo me desarmou completamente.

O que ele estava pensando? Que eu não ficaria feliz em vê-lo? Que eu o culparia eternamente por ter me deixado? Por ter me feito chorar a sua perda? Pelo amor de deus ele estava na minha frente! Como eu poderia desprezar uma dádiva dessas quando eu não poderia estar mais agradecida por isso? Sorrindo, eu corri até ele.

“Seu Moroi estúpido”, eu disse antes que ele segurasse minha cabeça entre suas mãos e me beijasse. Foi um beijo intenso e cheio de significados, os quais eu percebia a cada suave movimento de seus lábios contra os meus. Era um pedido de perdão e ao mesmo tempo uma declaração do quanto me amava, do quanto sentia minha falta e do quanto havia significado para ele ter me visto correr para seus braços. Foi o discurso mais sincero e romântico que ele poderia ter feito, porém sem proferir uma só palavra. Nós ficamos juntos até o sol se pôr, quando Adrian anunciou que precisava ir. Nossa despedida não foi dolorosa nem traumática e certamente não definitiva, selada apenas com um até breve.

Quando eu abri os olhos, a primeira coisa que fiz foi levar a mão até a boca, relembrando cada momento daquele sonho. Minha face molhada denunciava recentes lágrimas que eu devia ter derramado ainda enquanto dormia, mas quando eu senti meus lábios curvarem-se em um sorriso ao entender que por ainda estar vivo em minhas lembranças, Adrian poderia também viver em meus sonhos, eu vi que aquelas lágrimas haviam sido de felicidade. “Eu estarei sempre com você. Tente lembrar disso”, foram suas últimas palavras na gravação que havia deixado. Somente agora eu entendi o que ele quis dizer.

Porém, no instante seguinte eu olhei ao redor e lembrei que havia uma eleição acontecendo e que eu a deveria estar acompanhando.

“Merda”, eu gritei ao dar um pulo da cama, tentando acessar os pensamentos de Lissa. Nada. Eu tentei mais uma vez, mas, novamente, nada. Inconformada eu fui até a porta lembrando, ao girar a maçaneta, que eu havia sido trancada pelo lado de fora. “Merda, merda, merda!”, eu gritei mais alto ainda, acabando por dar um murro na maciça porta de madeira. “Eu não posso acreditar que isso esteja acontecendo!”.  Eu tinha que dar um jeito de sair de lá, então comecei a olhar ao redor, estudando minhas alternativas, quando um barulho na porta chamou minha atenção.

Pode parecer meio neurótico de minha parte, mas quem poderia estar querendo entrar no quarto de Lissa sendo que havia uma eleição acontecendo? Quer dizer, não deveriam estar todos lá? E por mais que eu tenha sido trancada por Dimitri e meu pai, isso não quer dizer que eles eram os únicos a possuírem as chaves deste quarto, afinal estávamos na corte real e aqui nada é de uso exclusivo de ninguém que não seja o governante. Em outras palavras, qualquer pessoa poderia estar entrando por aquela porta.

Parabéns, Rose, discrição deveria ser seu sobrenome, eu pensei com sarcasmo ao encostar-me na parede com uma estaca já em mãos. Eu não estava a fim de arriscar mais nada, por isso quando a porta foi aberta e uma sombra se moveu, foi na direção dela que eu pulei, mirando minha estaca no coração de quem quer que fosse. Foi o grito dele que me fez parar.

“Zach?!”, eu exclamei ao dar um passo para trás depois de perceber que havia me chocado exatamente contra o braço direito dele, que estava engessado. O desgraçado apenas sorriu como se dissesse ‘surpresa!’. Revirando os olhos, eu o puxei para dentro do quarto e fechei a porta antes que mais alguém aparecesse. “Que diabos você estava fazendo, além de obviamente tentar ser morto?” eu indaguei enfurecida.

“Eu estava guardando sua porta pelo lado de fora, oras! Mas quando ouvi sua gritaria resolvi conferir o que estava acontecendo, sua bruta”, ele disse ao arrumar sua tipóia.

“Bruta é a sua avó!”, eu disparei sem perceber o quão infantil eu estava sendo. “E, sinceramente, eu não sei que tipo de proteção você pode oferecer com o braço desse jeito”.

“Como poderei dizer isso sem ser mal interpretado?”, ele ponderou, deixando o meu xingamento sobre sua avó de lado. “Digamos que minha função principal era apenas impedir que você saísse. E para seu governo, eu sou canhoto e caso você não lembre meu braço quebrado não impediu que eu matasse alguns Strigois durante o ataque, logo acabar com você seria fichinha”. Eu senti minha boca cair aberta.

“Então sua preocupação era com a minha saída e não com quem pudesse entrar aqui? Inacreditável!”.

“Se você pudesse se olhar nos últimos dias, não acharia isso tão inacreditável assim, mas tudo bem”, ele murmurou. “Então, qual foi o motivo de tanto escândalo? Você parecia estar dormindo tão tranqüila”. Como ele sabia que eu estava dormindo? Minha expressão deve ter entregado a dúvida, pois Zach respondeu como se eu a tivesse perguntado em voz alta. “Eu estava checando você periodicamente”.

“Periodicamente? Zach, há quanto tempo eu estou aqui dentro?”,  perguntei já com medo do que ia ouvir. Ele checou seu relógio antes de responder.

“Quatro horas, vinte e cinco minutos e…”

“Droga!”, eu o interrompi, não necessitando de mais informações para saber que eu havia dormido demais.

“Relaxa, Rose, você precisava descansar um pouco. Não me leve a mal, mas você parecia um zumbi entre nós”.

“Você não entende, Zach. Eu deveria estar acompanhando a eleição e…”.

“A eleição já foi encerrada, Rose. Você está surtando por nada”.

“Como assim acabou? Você está me dizendo que nós já temos um novo governante?”.

“Pra dizer a verdade, uma nova governante. Ariana Szelsky”. Eu congelei por um instante. Aquela resposta me fez estremecer e minhas pernas pareciam não conseguir suportar meu peso, por isso eu sentei na cama sem saber exatamente como me sentir em relação àquilo porque, bem, uma parte minha ainda acreditava que Lissa poderia ser eleita. Por outro lado, ter uma Szelsky no poder não era tão ruim assim. Minha mãe trabalhou para essa família antes de assumir Lissa como sua nova protegida e se Janine Hathaway confiou sua vida a eles é porque eles mereciam.

“Como isso aconteceu? Eu quero os detalhes!”.

“Você não me ouviu dizer que eu estava aqui do outro lado da porta o tempo todo? Eu não tenho os detalhes”.

“Então como você sabe quem venceu a eleição, oras?”.

“Dimitri me contou ao passar aqui rapidamente para saber se estava tudo bem com você”.

“E onde ele está agora? Eu imagino que isso você saiba”. Zach então se aproximou e sentou-se ao meu lado na cama.

“Nesse exato momento o seu querido namorado está acompanhando seu pai numa audiência relâmpago com a recém eleita rainha, membros do conselho real de Morois, do conselho internacional de guardas reais, dos alquimistas e mais algumas pessoas importantes que eu não lembro quem são. E antes que você me pergunte o motivo eu já adianto. Eles estão discutindo o que fazer com você”.

“O que fazer comigo?”, eu repeti parecendo uma retardada.

“Agora você vai se fazer de desentendida?”, Zach disse com ironia. “Sério, o que você queria? Aos olhos deles você ainda tem uma pena a cumprir, afinal você foi condenada à morte e, no entanto, está mais viva do que eles gostariam. E mais, eles sabem que sozinha você não conseguiria escapar. É mais do que óbvio que você teve ajuda de alguém. Até para alguém que somente ouviu a história por cima, como eu, consegue ver isso. Eu aposto que eles querem nomes e eu acho que até não conseguirem, essa conversa vai longe, apesar de que…”. Zach interrompeu sua fala fechando os olhos brevemente, parecendo ter dito mais do que deveria. “Quer saber? Que se dane. O negócio é o seguinte, Rose. Seu pai se mostrou disposto a assumir toda a responsabilidade pelo que aconteceu. Pronto, falei”.

“Aquele filho da mãe! Não creio que Abe está tirando da reta da justiça todos os envolvidos naquela armação para se tornar o único alvo!”. Agora eu sei de quem eu herdei essa minha necessidade de salvar todo mundo.

“Uma bela novela, não? Uma pena que eu não poderei assistir ao final dela. Você pode me manter atualizado?”.

“Do que você está falando?”. A repentina mudança de assunto me pegou desprevenida.

“Por mais que seja tentador, eu não posso acompanhar vocês para sempre, Rose. Eu tenho uma vida fora daqui e compromissos que eu ainda preciso cumprir”.

“Meu Deus, você está indo embora?”. Ele concordou. “E você ia partir sem se despedir?”.

“Faria alguma diferença para você?”, ele perguntou achando graça, mas quando eu não correspondi o sorriso, deixando claro minha resposta, Zach ficou meio sem jeito, quase confuso. “Mesmo, Rose? Teria feito diferença?”, ele perguntou visivelmente tocado.

“Digamos que de certa forma eu estou começando a não gostar de despedidas, principalmente das que envolvem pessoas que eu aprendi a gostar. E por incrível que pareça você é uma dessas pessoas, novato. É claro que teria feito diferença”. Zach abriu um sorriso e ali eu tive certeza de que ele ganhou o dia.

“Bem, mas eu não pretendia sair totalmente às escondidas. Aqui, pegue”, Zach me alcançou um envelope que tirou de dentro de um bolso. “Você estava dormindo tão serenamente que eu não tive coragem de acordá-la, então eu escrevi uma carta explicando os motivos da minha partida e o quanto significou para mim toda essa experiência maluca que tivemos juntos. Nada que você não saiba, eu apenas registrei tudo num papel caso não nos vejamos tão cedo”. Sorrindo, eu comecei a inspecionar o tal envelope. “Você vai abri-la agora?”, ele perguntou com certo pânico e bochechas coradas, como se aquela carta o expusesse em vários sentidos.

“Você quer que eu a leia depois?”.

“Sim, quer dizer, não tem sentido você lê-la aqui na minha frente”. Eu o estudei tentando decifrar aquela reação exaltada, mas acabei desistindo.

“Tudo bem, como você preferir”.

“Obrigado. Mas leia-a com carinho, ok?”.

“Pode deixar”, eu disse com cautela e um franzido na testa, tendo a nítida sensação de que Zach não estava me dizendo algo. Porém antes que eu pudesse indagar qualquer coisa, Zach se levantou e estendeu seu braço bom na minha direção.

“Já que eu estou aqui, posso pelo menos ganhar um abraço?”, ele perguntou com aquele sorriso maroto, fazendo-me esquecer de qualquer desconfiança que eu pudesse estar tendo em relação à misteriosa carta que me fora entregue. Eu fiquei em pé na mesma hora e o abracei com força, talvez até demais.

“Não desapareça, viu? Continue mandando notícias”, eu disse baixinho.

“Você terá notícias minhas antes do que possa imaginar”, ele respondeu após de beijar minha bochecha, desvencilhando-se de mim com certo esforço e deixando o quarto em seguida, sem olhar para trás.

Eu voltei meus olhos para o tal envelope. Ele parecia queimar na minha mão, pedindo para ser aberto, contudo eu estava disposta a manter minha palavra então antes que eu não resistisse a minha curiosidade, escondi-o por baixo das roupas que vestia, prendendo-o por dentro da calça e, sem mais nenhuma necessidade imediata de sair do quarto, acabei me perdendo em pensamentos, cogitando o que fazer de minha vida, pois já estava cansada das surpresas que ela estava me aprontando. Tão cansada, para dizer a verdade, que minha vontade era de gritar aos quatro cantos minha indignação ou quem sabe dizer umas boas verdades para dezenas de pessoas, mas certamente eu seria condenada por isso, afinal eu era uma estrangeira no meu próprio mundo, uma estranha num ninho que um dia foi meu. Bem ou mal essa sensação de não pertença foi remediada logo mais tarde quando minha mãe e Lissa apareceram no quarto, dizendo-se sem tempo para esclarecer minhas dúvidas e me arrastaram para participar da tal reunião em que Abe estava. Pelo visto eu não era mais um segredo tão secreto assim.

Participar foi apenas uma maneira de dizer, já que quando cheguei lá, as decisões já haviam sido tomadas. Eles queriam apenas me comunicar o que havia sido definido. A expressão de Abe não entregava nada, como se tudo estivesse dentro do esperado, mas pelo olhar que recebi de Dimitri as notícias não eram boas. Como se a essa altura poderiam ser!

Fui então informada de que considerando a recente gravação contendo a confissão de Eugene na orquestração do assassinato da ex-rainha Tatiana, as acusações de assassinato feitas contra mim estavam sendo oficialmente retiradas. Em relação à intenção de participar do plano da simulação de minha própria morte eu também fora inocentada, já que aparentemente Abe deixou claro, ou melhor, convenceu a todos de que ele fora o único a agir de má fé, tendo usado compulsão sobre todos que se mostraram úteis para o sucesso da missão.

Até aí estava tudo bem. O problema veio com o anúncio de que, por ter carregado tudo nos ombros, assumindo a infração de uma série de regras como desacato à decisão judicial, uso deliberado de compulsão e abuso de poder para solução de questões pessoais, Abe seria destituído de seu cargo até segunda ordem. Eu mal tive tempo para ficar pasma, pois eu fui a próxima a ser sentenciada. Como após eu ter descoberto sobre a simulação de minha morte eu ocultei tal informação das autoridades, ficou subentendido que eu estava sendo conivente com o plano inescrupuloso de Abe, o que, na opinião dos que nos julgavam, representava uma grave falha de caráter.

Então como eles não poderiam me matar por isso, eles resolveram me tirar a única coisa em que eu ainda podia me agarrar para seguir adiante, meu trabalho, e decidiram que por tempo indeterminado eu estaria proibida de atuar como guardiã pessoal de qualquer Moroi, sob pena de ser desligada definitivamente de todo e qualquer serviço dentro da sociedade Moroi e ser condenada a viver como muitos Morois e Dhampirs vivem, escondidos sem respaldos entre os humanos e sob vigilância constante dos alquimistas.

Eu me senti como se tivesse sido atingida por uma daquelas ondas violentas que nos pegam de surpresa justo quando estamos de costas para o mar e nos arrastam até a beira da areia. Filhos de uma santa égua! Já não bastava a vida ter me tirado pessoas importantes, agora eu teria que abrir mão do que eu sempre quis ser? Dos meus sonhos?

Nem pensar.

“Vocês querem saber de uma coisa?”, eu disse calmamente. “Eu cansei dessa loucura de ser punida pelo que não fiz e não ser reconhecida pelo que fiz. Não entendam mal, pois eu posso viver muito bem sem o reconhecimento de vocês, mas eu estou farta de tanta injustiça. Por acaso vocês acharam errado termos descoberto quem realmente mandou assassinar a ex-rainha Tatiana? Foi um erro termos denunciado um esquema corrupto que obrigaria todos os Dhampirs a lutarem sob efeito de compulsão? Eu fui condenada a morte por um assassinato que eu não cometi, apenas porque era conveniente e agora estou sendo proibida de atuar como guardiã porque eu não revelei a vocês que eu não havia sido morta como fora ordenado pela justiça. Céus, isso soa ridículo! Mas eu pergunto a vocês senhoras e senhores, isso é certo? Não, isso é insano! Se eu aparecesse viva e fosse atrás de alguém sem ter uma prova da minha inocência eu sequer seria ouvida antes de ser morta definitivamente e vocês sabem disso!! Vocês acabaram de admitir, ao retirar as acusações de assassinato contra mim, que erraram no julgamento desse caso e ainda assim tem a cara de pau de condenar Abe, a única pessoa que se dignou a investigá-lo mais a fundo, a ponto de descobrir o verdadeiro assassino? Que hipocrisia é essa? Quem busca a verdade agora se ferra? É essa imagem que vocês querem passar para o povo? Pelo amor de Deus! E vocês ainda vêm discursar sobre caráter e justiça pra cima de mim?!”. Eu tive que gargalhar alto. “Olha, se vocês pensam que eu vou ficar aqui dando demonstrações de bom comportamento até que vocês decidam se eu amadureci o suficiente para voltar a assumir um cargo que eu tenho mais do que certeza que posso exercer com excelente competência, estão todos enganados. Eu prefiro viver anonimamente entre humanos a me submeter a esse tipo de coisa, pois se é para viver em uma sociedade sem escrúpulos, eu prefiro uma que pelo menos tenha a decência de assumir que funciona assim. Eu cansei de ser uma eterna serva de vocês. Eu vou viver sob minhas próprias regras. Lá fora”.

~~~~~~~~~~~~~~* * *~~~~~~~~~~~~~~

Surpresa!

Pessoal, eu sei que o capítulo não foi dos maiores, mas eu espero que o vídeo a seguir compense! Trata-se de uma montagem de cenas que eu fiz para retratar o sonho que a Rose teve com o Adrian. Eu fiz ele com muito carinho, então espero que gostem!

Mais detalhes nos comentários!

23 Comentários leave one →
  1. .:Little.Crazy.Dhampir:. permalink
    08/14/2011 1:40 AM

    Sobre os atores: Bom eu só queria dizer, antes que me apedrejem, que a Miley Cyrus não é minha Rose idealizada nem aqui nem na china, mas enquanto eu ainda não posso montar o elenco dos meus sonhos, teremos que nos contentar com o que a casa oferece hahahah. Mas aquele Adrian…ai ai hahaha

    Sobre a música: Eu ia usar outra música de fundo, mas tudo mudou quando num post da O+ sobre trilhas sonoras que nos lembram de livros eu vi um comentário da nati falando da música “Your Guardian Angel”, do The Red Jumpsuit Apparatus, onde ela disse que lembrava muito da Rose e do Dimitri. Realmente lembra a relação dos dois, mas eu achei que ela se encaixou tão bem na história da fic que eu acabei usando ela no meu vídeo. Eu achei o resultado ótimo e por isso, thanks nati!!

  2. 08/14/2011 7:57 AM

    Oi Lill… Eu amo suas histórias e sempre sigo as suas fic’s, mas dessa vez quero dizer que você poderia ter dado uma morte menos sofrida ao MEU ADRIAN… Adoooooooroooooo suas fic’s. Beijos.

  3. 08/14/2011 10:50 AM

    A Little ama me ver surtando, não é mesmo????????????????????

    Nháááá q capítulo mais lindoooooo^^
    Gente, amei o sonho!!!!! Eu dise q tinha surtando antes…. e q iria surtar d novooooo hauhauaau😄

    Little… como sempre, arrasou!!!!!!
    E eu qro o próximo capítulooooooooooooooooooooo Meu Deus!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    Amei o vídeo!!!!!!!!Eu amo essa música!!!! E apesar de não gostar da Miley, eu gosto mto desse filme, A última música^^

  4. nicole permalink
    08/14/2011 2:48 PM

    Po little vc ainda me mata meu!! Vc tem noçao q é a pessoa q mais me faz chorar?? tipo tanta coisa acontece e eu choro com oq vc escreve! uahsauhs
    o cap foi lindo!1 curtinho😦 mas….
    quero maaai!! Vc consegue surpreender a cada semana,parabens!!!!
    Amei o video as cenas deram certinho!!! chorei! kk

  5. Patrícia permalink
    08/14/2011 3:48 PM

    Oi Little, amei o capitulo e o vídeo, parabenizo vc pois sua fic é maravilhosa, mas vou confessar que estou com saudade dos momentos de Rose e Dimitri,sei que vc tem tudo esquematizado mas não esqueci deles dois juntos não. bjs e parabéns!!!!!!!!!!!!!!

  6. .:Little.Crazy.Dhampir:. permalink
    08/14/2011 6:37 PM

    Nhaaa que bom que vocês gostaram! E sorry Rosa pelo Adrian, eu tbm sinto falta dele!
    Sim, eu gosto de ver vcs surtando
    E sim, eu gosto de saber que vcs choraram tbm hihihih

    Mas é o seguinte pessoas.. ainda não é um anúncio oficial, então fiquem de olho nos posts do blog, pois existe a possibilidade de o próximo capítulo ser o último da fic.Estou fazendo conta de cabeça aqui e logo devo me posicionar a respeito disso, então para aqueles que precisam se preparar psicologicamente, a hora é agora!!
    Bjinhs

  7. PotatoFangs permalink
    08/14/2011 7:31 PM

    Eu não tinha começado a ler a Fic ainda pq eu queria ler de uma vez só, quando acabasse… mas agora já sei oq acontece com o Adrian pq li nos coments. ÇÇ Que triste!!! Poxa gente, coloquem tag de spoiler nos comentários, assim vcs me matam. Haha. E lindo lindo o vídeo. Amei dmais. Parabéns Little. ;D

  8. .:Little.Crazy.Dhampir:. permalink
    08/14/2011 7:38 PM

    Ahhhh dona batatinha mas só puxando suas orelhas tb neh!!Que que a senhorita fazia lendo os comentários se não tinha lido a fic?!Eu não li o LS ainda e não fico lendo nada por ae pq eu sei que é um campo minado hahahha. Começa a ler já então pq eu to logo terminando ela =pp E vc viu o vídeo sem ter lido o capítulo?!?! Vou fazer batata frita de vc pode? hhahahahah Sim, eu adoro meus leitores tá? =p

  9. Bárbara permalink
    08/14/2011 10:27 PM

    Little eu não tive tempo de ler o capitulo 51 então eu tive que ler o cap. 51 e 52 hoje e eu estava quase chorando quando eu acabei de ler o primeiro desses dois mas quando eu comecei a ler o sonho eu chorei pra caramba. Eu também não gostei muito quando o Zach falou que iria embora. Mas eu gostei quando a Rose enfrentou a galera da Corte assim por dizer e falou tudo aquilo. Mas eu sinto saudade da Rose com o Dimitri , mesmo assim sua fic. esta demais. Quero o próximo capitulo Little.
    Bjs

  10. Bárbara permalink
    08/14/2011 10:29 PM

    Ps: adorei o vídeo.

  11. .:Little.Crazy.Dhampir:. permalink
    08/14/2011 11:18 PM

    Não se aflijam, pessoas! Como a Patrícia bem disse, eu tenho tudo esquematizado, então não se preocupem que logo vcs vão matar as saudades do Dimitri =)

    Adorei saber que fiz mais uma chorar! \o/

    E nhaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa eu leio os comentários de vocês e da uma vontade imensa de contar o que eu tenho planejado, mas não dá!!! É que é muito legal ver que o que eu tenho em mente vai bem de encontro com as demandas de vcs!! Parece que tem uma sintonia! É Mto legal isso! To mega empolgada respondendo comentários hj né? hahaha

    bjss

  12. 08/15/2011 11:38 PM

    Ah….eu amei o vídeo. Essa música é perfeita e se encaixou bem pro momento.
    Sua fic é fantástica. Não queria que ela acabasse tão cedo!

  13. 08/16/2011 6:11 PM

    Totalmente atrasada aqui, mas não me importo, eu li, adorei, e espero pela reação dos “governantes” e “poderosos” é realmente muito legal, tipo, eu adoro quando a Rose surta, e ela está totalmente certa! Eles não pensariam duas vezes antes de matala!
    Adorei o video, ficou muito bom, e você pegou do filme “A ultima Musica” não foi? Mesmo que seja a Miley e eu particularmente não goste muito dela, realmente ficou muito bom =D adorei mesmo, ansiosa pro next chapter! hihihi,Much Happy! háhá

  14. 08/21/2011 6:06 PM

    Olá Little…
    Como começar…
    Você me fez chorar novamente…
    Bom sobre seu comentário…
    Sim a Miley nunca vai ser a Rose..
    Mas temos que trabalhar com aquilo que temos…
    E o video em si foi muiot lindo…
    Passou exatamente tudo o que vc escreveu…
    Ah o que Zach escreveu para Rose?
    Ah ele é tão fofo…
    Sabe concordo com ela…
    Para que viver em um mundo…
    Que não sabe o que significa justiça…
    Mas o que vai acontecer daqui para frente…
    Posta mais…
    Lüften…
    Beijos…

  15. Elooisah' permalink
    08/29/2011 12:12 PM

    Aaaie Little, qando saai o cáp. 53

    Too loouca *——*

    O videeeos viooou Maaravilhosoo ( apesaar de eoou concondaar qe a Miley nãao é nada como eoou imagino a Rosee )

    Beeeijo #

  16. .:Little.Crazy.Dhampir:. permalink
    08/29/2011 12:18 PM

    Elô, o 53 vai sair junto com o 54 porque será o final da fic e eu vou fazer dobradinha… Quarta -feira tá saindo! Bjs

  17. Elooisah' permalink
    08/29/2011 6:27 PM

    Aie, atée laaah eein ;x

    Little, voouc pensa em fazeer uma continuaçãao para a história de VA ??

    Se voouc pensa/ foor eoou totaalmentee voou leer *—-*

    (maais pensa com carihoo heein !! )

    Beeijo #

  18. Elooisah' permalink
    08/29/2011 6:29 PM

    Obs: Carinho*

  19. .:Little.Crazy.Dhampir:. permalink
    08/29/2011 6:40 PM

    Vc diz além das fics? Olha eu não vou dizer nunca pq aqui se faz, aqui se paga, mas no momento eu não me vejo escrevendo mais histórias de VA, não. Pelo menos não por um bom tempo. Claro que isso pode mudar no futuro, mas se mudar certamente não será uma história, no máximo um conto ou coisa assim.
    bjinhos

  20. .:Little.Crazy.Dhampir:. permalink
    08/29/2011 6:40 PM

    Vc diz além das fics? Olha eu não vou dizer nunca pq aqui se faz, aqui se paga, mas no momento eu não me vejo escrevendo mais histórias de VA, não. Pelo menos não por um bom tempo. Claro que isso pode mudar no futuro, mas se mudar certamente não será uma história, no máximo um conto ou coisa assim.
    bjinhos

  21. Elooisah' permalink
    08/31/2011 7:40 PM

    aaaaei Little, qaando sai ??

    Já é qartaa e venho aqee ver de meia em meia hraa *—–*

  22. .:Little.Crazy.Dhampir:. permalink
    08/31/2011 7:50 PM

    Não quero deixar ninguém nervoso, mas eu ainda estou terminando aqui tá? hahahahahahahahaha

  23. Elooisah' permalink
    08/31/2011 8:22 PM

    taaaaaah, aa esperaa ;x

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: