Pular para o conteúdo

Fanfic Last Sacrifice – Capítulo 41

04/24/2011

Queridos Leitores, Feliz Páscoa!

Seria um ótimo presente se eu dissesse que eu terminei a fic, não é mesmo? Bom, de certa forma ela terminou, pois meus capítulos reserva terminaram e agora eu estou correndo contra o tempo para escrever um capítulo por semana. Desespero não chega nem perto da palavra que define o que eu sinto hahahaha. Aliás, acho que nem há uma definição. Mas não se preocupem, pois o máximo que pode acontecer é o próximo capítulo ser mais curto, o que ainda é melhor do que nada.

Como eu disse eu acho que não teremos paz até a fic terminar e o capítulo 41 está repleto de ação e tensão, o que pode ser a projeção na história do que eu to sentindo por estar sem capítulos reserva hahaha. Quem pode saber não é mesmo? hahahhaa. Bom pessoal, uma ótima páscoa para vocês e uma boa leitura!

Para ler capítulos anteriores, clique aqui.

Fanfic Last Sacrifice (by Little) – Capítulo 41

Zach estava certo quanto ao caminho alternativo, mas ele não foi o único a ter essa magnífica idéia. Estávamos correndo em ritmo de trote, lado a lado, quando eu me vi obrigada a parar ao sentir uma indisposição que eu já conhecia muito bem, pois significava Strigois à vista. Zach não sabia, no entanto, que eu tinha esse pequeno grande poder e por isso mostrou-se preocupado quando me viu curvada, com as mãos sobre os joelhos.

“Rose, você está bem? Você está ferida?”, ele perguntou ao colocar gentilmente sua mão sobre minhas costas e abaixando-se para tentar entender o que estava acontecendo. Eu respirei fundo para me concentrar na voz de Zach e esquecer a náusea que havia me pego desprevenida.

“Eu espero que você esteja preparado para lutar”, eu disse sem responder a pergunta dele.

“O quê? Rose, do que você está falando? Você está bem?”, Zach insistiu.

“Sim, eu estou bem. Agora vem comigo”. E tendo dito isso fiz um sinal para que Zach me seguisse, mas em um ritmo bem mais acelerado.

Após corrermos aproximadamente cem metros, encontramos o motivo da minha náusea, outro grupo de Strigois. Por alguma razão eles parecem ter se dividido em pequenos grupos para esse ataque e o que estava diante de nós era formado por seis Strigois, um grupo um pouco maior do que os outros com os quais eu já havia me deparado até agora, mas o que chamava mesmo a atenção eram dois pequenos detalhes. A Sra. Karp era um dos Strigois do grupo e eles lutavam contra ninguém menos do que Mikhail.

Eu congelei momentaneamente, pois Mikhail estava sozinho lutando contra os seis deles e depois de tanto tempo trabalhando atrás de mesas e lidando com papeladas, meu medo era que ele estivesse um pouco enferrujado. Mas não, Mikhail movimentava-se com destreza para desviar dos golpes direcionados a ele e retribuía a violência com ataques inteligentes. Seus olhos pareciam brilhar com emoção e adrenalina, mas até então eu não saberia dizer se era por finalmente ter encontrado Sonya Karp novamente ou se por estar lutando para valer mais uma vez. Ainda assim, ele parecia saber o que estava fazendo.

“Rose, que gentileza da sua parte vir nos fazer companhia”, Sonya disse, sem parar um instante sua busca pelo momento ideal para atacar Mikhail.

“Ela conhece você?”, Zach sussurrou ao meu lado, parecendo preocupado. Nós dois estávamos a uma certa distância da luta que ocorria, mas ainda assim fomos percebidos. Malditos Strigois e seus sentidos aguçados.

“Me desculpe, Sra. Karp. Mas eu não estou aqui para ser gentil”, eu rebati, ignorando a pergunta retórica de Zach. Sem outra opção a não ser comprar a briga, eu dei alguns passos adiante, explicitando minhas intenções, o que não agradou muito minha ex-professora. Com apenas com um breve olhar ela ordenou que dois de seus amiguinhos impedissem Zach e eu de avançarmos. Eles cobriram a distância existente entre nós em poucos segundos.

“Então, você está preparado para lutar?”, foi tudo que eu tive tempo de dizer a Zach antes de me engalfinhar com o Strigoi que vinha determinado a me atropelar como um trator se eu não fizesse nada a respeito. A resposta de Zach veio traduzida em ações, me surpreendendo ao tirar de sua calça uma arma que estava escondida sob a camiseta que vestia. O que aconteceu a seguir eu não pude ver, pois estava no chão, montada em cima do Strigoi com o qual lutava, buscando uma abertura para perfurar seu coração, mas pelo som que ouvi, Zach só poderia ter aberto fogo ao segundo Strigoi. Com um pouco menos prática do que eu, Zach usou quatro tiros para derrubar o massivo homem, porém sem matá-lo e, provavelmente não querendo desperdiçar balas, completou o serviço usando sua estaca.

Foi então que eu pude observar com atenção à arma que Zach carregava na cintura. Ela pertencia ao Moroi que salvou a vida dele há pouco, mas que acabou sendo morto logo em seguida, quando um Strigoi quebrou seu pescoço num vingativo ato contra o ataque de Zach. Não que ele fosse poupar o pobre Moroi de alguma forma, afinal Strigois não tem compaixão, obrigando-nos a agir igualmente em relação a eles. É a vida, fazer o que?

Eu ainda estava no chão, logo após ter dado um fim no meu adversário e rolado-o para longe de mim, quando Zach apareceu no meu campo de visão oferecendo-me ajuda para levantar, a qual eu acabei aceitando. Com firmeza segurei a mão que me foi estendida, impulsionei-me fazendo força com meus pés contra o solo e deixei que Zach fizesse o resto do trabalho, absorvendo o meu peso à medida que me puxava para cima. Num piscar de olhos eu estava sobre minhas duas pernas novamente, impressionada por Zach não ter se abalado nem um pouco ao me levantar como um guindaste. Tudo bem que eu não sou uma pessoa que pode ser considerada pesada, mas um peso morto é sempre um peso morto e foi isso que eu me permiti ser quando ele me puxou. Também, o que eu poderia esperar de um garoto com um corpo como aquele? Verdade seja dita, se ele já chama a atenção com a idade que tem, daqui a alguns anos ele será um legítimo pedaço de mau caminho que provavelmente deixará um rastro de corações partidos. Homens de bem, protejam suas filhas.

Porém, além da demonstração de força de Zach eu percebi o verdadeiro motivo de ele ter me erguido tão rapidamente. Mais dois Strigois vinham em disparada em nossa direção. Eu não pensei duas vezes antes de arrancar a arma de Zach de sua cintura e mirar no peito dos dois desgraçados.

“Quantas balas sobraram?”, eu perguntei a Zach.

“O suficiente”, foi a resposta dele. Eu não precisei ouvir mais nada para começar a disparar, mas depois de dois tiros a arma parou de funcionar e apenas um dos meus alvos havia sido atingido, apesar de isso não ter impedido que ele continuasse sua perseguição.

“Duas balas? Isso é o que você chama de suficiente?”, eu disse entre os dentes.

“Você não precisou mais do que isso antes! Além disso, eu não queria pressioná-la dizendo que restava pouca munição.

“Você só pode estar de brincadeira!”, eu exclamei ao atirar a arma no chão, completamente descarregada. “E pegue sua estaca, nós resolveremos isso do jeito antigo”.

Para se redimir, Zach fez questão de ficar com o Strigoi que não foi atingido e deixou para mim o que estava ferido, não percebendo, é claro, que era exatamente porque ele parecia mais letal que eu atirei nele primeiro. Porém, eu tive mais sorte que juízo, pois como o tiro o atingiu em uma área próxima do coração, alguns de seus movimentos ficaram limitados. Frente a frente com o inimigo, eu usei isso a meu favor, concentrando minha força em um pancada que eu pretendia acertar na cabeça dele. Ao movê-la para o lado, desviando assim do golpe que a acertaria, o Strigoi acabou expondo seu pescoço o suficiente para eu lhe talhar um corte entre o ombro e o maxilar utilizando a estaca que eu segurava na outra mão.

A açougueira adormecida dentro de mim despertou de um sono profundo ao ver uma grande quantidade de sangue começar a escorrer por aquela profunda fissura e, não conseguindo controlar o impulso que me ocorreu, fiz o mesmo do outro lado antes de finalmente ter o prazer de sentir a estaca perfurando lentamente as camadas de pele, gordura e músculos do corpo daquele desgraçado. Eu fiz questão de lhe dar uma morte lenta e dolorosa porque, na condição em que minha vítima se encontrava, ela não representava um risco a ninguém e se eu pudesse fazê-la sentir uma ponta da dor que sua raça maldita um dia causou em mim, eu não perderia tal oportunidade.

Por um breve instante, a lâmina de metal hesitou e nesse momento eu soube que ela havia chegado a seu destino final. A resistência física encontrada não era nenhuma surpresa, tratando-se apenas do pericárdio, uma membrana densa e inelástica que reveste um de nossos órgãos mais vitais, o coração. Normalmente não temos a chance de apreciar o momento em que a perfuramos, mas somos treinados para identificar de olhos fechados a sua tenacidade com a ponta de uma estaca e saber a pressão exata a ser exercida para rompê-la em questão de segundos.

Com a força calibrada, pouco a pouco fui empurrando a estaca para dentro do coração do Strigoi, vendo sua agonia ao perceber que aquele seria o seu fim. No começo precisei lidar com algumas respostas involuntárias daquele corpo, como fortes espasmos musculares, reagindo à prata como se fosse um verdadeiro veneno, mas assim que tudo se aquietou e o que eu tinha nas mãos não passava de mais uma carcaça vazia, eu deixei que ele caísse aos meus pés, assistindo a gravidade fazer o seu trabalho.

Ao procurar por Zach, o encontrei me encarando com uma expressão estarrecida, como se ele não acreditasse que estava me vendo dar uma de psicopata pra cima de um Strigoi. Um pouco incomodada, a primeira coisa que pensei foi por que raios ele estava ali parado ao invés de partir para o ataque dos Strigois restantes, já que claramente ele tinha acabado com o qual estava lutando. Mas então percebi que, dos seis, havia sobrado apenas mais um além de Sonya e era ele quem lutava com Mikhail, o que não fazia muito sentido. Por que ela permitiria que Mikhail corresse riscos lutando já que, de acordo com o bilhete assinado por ela, sua intenção era capturá-lo vivo? Como tudo que faz parte do bizarro contexto do mundo dos Strigois não tem o menor sentido, eu me detive apenas nos fatos em si.

Sonya assistia a luta dos dois com apreensão e excitação, provocando Mikhail com discursos ácidos e cruéis baseados no que eles um dia tiveram juntos, enquanto Mikhail parecia um touro enfurecido diante de um pano vermelho, ansiando passar por cima daquele único obstáculo que o impedia de enfrentar diretamente o amor de sua vida. Ocorreu-me, de repente, que Sonya poderia ter dado ordens para Mikhail ser poupado e a luta que ocorria era apenas uma conseqüência da resistência de Mikhail ao seqüestro oferecido por sua amada. Havia outra hipótese, mas por alguma razão eu me nego a pensar que ela estaria com medo de lidar diretamente com Mikhail e perceber que ele não aceitaria ser transformado, preferindo morrer do que se tornar um Strigoi.

Aproveitando que Sonya estava tão compenetrada em perturbar Mikhail que não percebeu  Zach e eu tínhamos terminarmos de brincar com o passatempo nos dado por ela, combinamos que enquanto Zach distraísse a Sra. Karp eu ajudaria Mikhail, afinal ele ainda estava do nosso lado. Mas nós precisávamos agir rápido, pois em algum momento aquela brincadeirinha de Sonya deixaria de ter graça e as formas que Strigois têm de apimentar as coisas não são nada tradicionais, muito menos agradáveis. Eles partem, sem piedade, para a violência sádica. Mesmo. E se isso acontecesse, meu medo que Mikhail acabasse hesitando em cravar a estaca no peito de Sonya.

O problema foi que eu subestimei os sentidos desses filhos da mãe e quando minha ex-professora percebeu que eu pretendia me meter na briga de Mikhail, ela não pensou duas vezes antes de ir pra cima de Zach, que não estava esperando por um ataque naquele momento, pois tínhamos combinado que ele entraria em cena apenas depois de mim. Zach ainda tentou recuar ao ver Sonya avançar sobre ele, mas não conseguiu evitar que ela o derrubasse e o virasse de barriga para o chão, montando sobre suas costas com um dos braços dele puxado bruscamente para trás. Com a outra mão ela apenas manteve o rosto dele colado ao chão. Ela poderia matá-lo se quisesse, mas não foi o que ela fez porque de certa forma ela sabia que se Zach acabasse morto não haveria nenhum tipo de negociação possível comigo. Eu perderia a cabeça e partiria para o massacre do século, arruinando qualquer plano que ela pudesse ter. Sendo assim, ao manter Zach sob seu poder, Sonya queria apenas a minha atenção, o que ela acabou conseguindo.

“Tire suas mãos dele”, eu ordenei com os dentes cerrados. Sonya soltou uma gargalhada.

“Veja só que interessante”, ela rebateu. “Você ainda pensa que pode salvar todo mundo! Isso não é genuinamente lindo?”. Céus, por que raios Strigois precisam ser tão sarcásticos?

“Qual é Sra. Karp! Ele é apenas um garoto. Eu não consigo acreditar que você se sinta ameaçada por alguém como ele”.

“É claro que eu não me sinto ameaçada, sua idiota. Na verdade eu não sinto absolutamente nada por ele. Nada mesmo, mas é sempre curioso observar como vocês se importam. A questão é até onde vai esse sentimento”.

“O que você quer de mim?”.

“Ah, aí está uma pergunta interessante. Veja bem, eu sei que a sua intenção era ajudar Mikhail enquanto o seu amiguinho aqui me distraísse e acho um tanto presunçoso de sua parte pensar que poderia conseguir as duas coisas. A sua sorte é que eu estou tão feliz em ver o guardião Tanner novamente que até vou lhe fazer uma proposta indecente”.

“Desculpa, Sra. Karp, mas eu não negocio com Strigois”.

“Talvez seja hora de repensar sobre o assunto, minha querida, pois o que eu tenho a oferecer é grande demais para simplesmente ser ignorado”.

“Eu acho que fui bem clara sobre…”.

“Eu proponho uma troca”, ela me interrompeu. “O garoto… por Dimitri”.

No instante em que essas palavras foram ditas, Zach, que se contorcia no chão como uma minhoca, parou instantaneamente. O seu corpo parecia tenso e sua respiração, ofegante. Contudo, quando um breve silêncio se formou, ele deve ter entendido que aquilo era a minha resposta, pois relaxou em seguida e parou de se debater, como se tivesse aceitado que ali era o fim da linha para ele. Eu não o culpo por ter desistido tão facilmente porque Zach sabia muito bem como eu me sentia em relação à Dimitri, mas não esperava que ele fosse acreditar tão facilmente assim que eu desistiria dele. Ele estava até evitando olhar na minha cara, o que começou a partir meu coração, pois eu sabia tudo que aquele novato não queria era ter o mesmo fim que seu pai teve e agora ele estava nas mãos de um Strigoi, tendo sua vida negociada pela de alguém com quem ele nem ousava a se comparar, como se ele não tivesse valor ou importância.

“Você acha que eu vou acreditar nisso?”, eu perguntei indignada. “Dimitri é uma ameaça a vocês. Ele sabe de coisas que não deveria saber e por isso, mesmo que você o poupe, ele sempre será alvo de alguém”.

“É, mas você poderia salvá-lo de mim. Não seria ótimo garantir a ele alguns meses, talvez anos de vida?”.

“Eu gosto de correr riscos, Sra. Karp. Tanto que eu tenho até uma contra proposta a fazer”.

“Mesmo?”, ela disse ironicamente. “Parece que ouvi você dizer que não negocia com Strigois”.

“Digamos que eu segui o seu conselho sobre reconsiderar. E eu devo dizer, minha proposta é tentadora”. Quando vi aquele par de olhos vermelhos brilharem como rubis, eu soube que havia conseguido sua atenção, porém agir na hora certa é fundamental em qualquer negócio e demonstrar ansiedade e insegurança num momento desses nunca é bom. Por isso, mesmo que eu estivesse gritando e me arrancando os cabelos por dentro, eu esperei até que ela me desse um sinal concreto de seu interesse em ouvir o que eu tinha a propor.

“Rose, isso não é um chá das cinco e eu estou começando a cansar de ficar em cima do seu amigo, então é melhor você começar a dizer algo antes que eu, você sabe, fique entediada”. Justamente o que eu precisava ouvir.

“É tão simples, na verdade, que parece estúpido. Você poupa o garoto e luta comigo, porque cá entre nós, eu sou uma adversária mais a sua altura, uma vez que eu já matei vários de vocês. Se você me matar, você pode ter o garoto de volta, Mikhail, Dimitri e quem mais você quiser, afinal eu não estarei aqui para impedir você. Mas se eu matar você, bem… Eu acho que isso resolve todos os meus problemas”.

“Rose, não faça isso!”, Zach disse com certo esforço, já que a Sra. Karp não estava sendo nada gentil com ele. Ainda assim eu notei uma parcela de emoção em sua voz.

“Poupe-me de seu discurso, novato. Eu não vou desistir de você”, eu respondi sinceramente, emocionada de uma forma que eu não pude demonstrar, evitando chamar Zach pelo nome para que ele não fosse associado com o seu pai, pois uma vez que isso acontecesse não se teria como provar que o garoto era inofensivo e meu plano iria por água abaixo.

“Interessante! Você está mesmo abrindo mão de salvar Dimitri Belikov…”, Sonya Karp ergueu de leve a cabeça de Zach pela testa e o estudou, “… por causa disso aqui?”, ela perguntou, chocando a cabeça dele contra o chão, com uma expressão de nojo, como se aos olhos dela isso não valesse a pena. Eu estremeci junto com Zach, mas fiquei aliviada ao ouvir a Sra. Karp pedir para que eu ficasse com a estaca dele por precaução. Em outras palavras ela havia aceitado minha proposta e não queria correr o risco de ser atacada por ele pelas costas. É a lei da sobrevivência, afinal, não se pode nunca confiar no inimigo, não importa quão frágil e inofensivo ele pareça, porque as aparências enganam e nós podemos sempre cometer erros.

Atendendo a solicitação feita a ele, Zach atirou para mim a estaca com que vinha lutando até agora, mantendo consigo, porém, uma estaca sobressalente escondida debaixo de suas roupas, presa rente a sua cintura por uma faixa elástica exatamente para não ser de fácil percepção. Uma espécie de arma de emergência, utilizada por nós em batalhas como essa, afinal, como Dimitri disse uma vez, um guardião prevenido sempre carrega mais do que uma estaca consigo, algo do que a Sra. Karp sequer desconfiou, até mesmo porque prendemos essa estaca reserva na nossa frente, devido ao fácil acesso e Zach estaca de barriga contra o chão.

Conhecer o inimigo. Eis uma poderosa arma se você usá-la de maneira inteligente. Era isso que eu estava tentando fazer, propondo a um Strigoi um bom desafio, exatamente o tipo de coisa para a qual eles não conseguem dizer não. Já a Sra. Karp parece não ter feito direito sua lição de casa, pois sequer considerou que Zach poderia ter mais do que uma estaca e ele tinha. Ela estava cometendo provavelmente o maior erro de sua vida agora, apenas não sabia disso.

Supostamente desarmado, Zach foi usado de escudo pela Sra. Karp assim que ela saiu de cima dele e o ergueu, mantendo agora os dois braços dele para trás.

“Não me leve a mal, garoto, mas eu não gosto de ser surpreendida, então isso…”, Sonya disse, quebrando o braço direito de Zach, fazendo-o gritar de dor, “… é para caso você resolva bancar o corajoso, o que eu espero que não aconteça”. Ok, por essa eu não esperava.

“Não se preocupe, Sra. Karp”, eu disse entre os dentes, apertando minha estaca com tanta força, devido à raiva, que eu chegava a tremer. “Ele não vai fazer nada estúpido”. Zach olhou enfurecido para mim, segurando seu braço machucado contra o corpo, como se negasse a ficar fora disso mesmo na condição em que se encontrava. Eu o encarei de volta, apesar de continuar dirigindo meu discurso a Sonya. “Por mais que ele ainda seja um bebê, ele sabe muito bem quando pode ou não pode atacar”. E ao dizer isso eu rezei para que a Sra. Karp tenha entendido que meu olhar para Zach significava um “mantenha distância” e que Zach o entendesse como um “espere meu sinal para atacar”.

Empurrando Zach com força para alguns metros longe de nós, Sonya Karp ficou frente a frente comigo, mas através da minha visão periférica eu notei que Mikhail não gostou da movimentação que percebeu. O motivo era mais do que óbvio para mim, pois quando a Sra. Karp assumiu a autoria dos ataques anteriores e expôs suas intenções para este último, Mikhail deixou claro que enquanto fosse possível, ele queria ser a pessoa a matar Sonya e agora eu estava aqui acabando com os planos dele. Sinto muito, Mikhail, eu pensei, mas acho que você matar sua amada, não vai rolar.

“Eu vou lhe dar apenas mais uma chance para mudar de idéia”, minha ex-professora disse. “E pense bem, pois será sua última oportunidade de salvar Dimitri”.

“E deixar um dos meus para trás?”, eu tive que rir. “Sinto muito, Sra. Karp. Como você mesma disse, eu ainda penso que posso salvar todo mundo, então se eu estiver realmente equivocada, você terá que me provar isso”. Ela sorriu maliciosamente para mim.

“Então considere a aula começada”. Aquela mulher que um dia foi minha professora avançou em minha direção e eu vi nos olhos dela a determinação de um Strigoi que pararia apenas quando o coração de uma de nós não estivesse mais batendo.

~~~~~~~~~~~~~~* * *~~~~~~~~~~~~~~

12 Comentários leave one →
  1. Laís permalink
    04/24/2011 11:37 AM

    OMFG!!!! Domingo que vem está mto longe!!! 😦

  2. Bárbara permalink
    04/24/2011 11:49 AM

    AI MEU DEUS !!!!!!!!!!! Eu To tendo um trosso agora mesmo. Little vc não pode terminar um capítulo assim se não qualquer um que leia vai ter um trosso como eu estou tendo. E aquela proposta que a Sonya fez? Nem eu aceitaria eu faria a mesma coisa que a Rose fez,mas eu To preocupada com a Rose e tadinho do Zach que teve o braço quebrado sem fazer nada para merecer isso!!!!!!!!!!!!! Bom eu estou esperando o próximo capítulo com muita anciedade e espero que no próximo eu não tenha um trosso hahahahahahahha
    Bjs Babi

  3. Joyce Melo permalink
    04/24/2011 12:06 PM

    Muuuito longe mesmo. Meeu Deus. Está parte está muito emocionante e tentadora. heuhueheh

  4. Patricia vieira silva permalink
    04/24/2011 1:59 PM

    Ai Meu Deus!!!!! Vc quer matar a gente é ??????????
    Como assim vc termina um capitulo desse, isso é atentado a nossa saúde!!!!
    OH meu bom Deus, dai-me saúde para aguentar essa semana até domingo!!!!
    Parabéns o capitulo ficou ótimo!!!!

  5. Audrey permalink
    04/24/2011 6:54 PM

    AHHHHHHHHHH!!!!!!! Little vc tem obsessão por terminar caps assim totalmente torturantes!!!!! aimeudeus, o q vai acontecer????????!!!!!!!!!! Little, espero q vc consiga ir repondo os caps, pq sem nenhum deve dar desespero mesmo, esse cap ta muiito bom!

  6. .:Little.Crazy.Dhampir:. permalink
    04/24/2011 7:10 PM

    Chega a ser engraçado.. de 5 comentários, até agora, 3 me questionam como eu termino um capítulo assim, sendo que em um deles me acusam de querer matar meus próprios leitores! Ai pessoas, vocês fazem meu domingo mais feliz, sério, pq eu me divirto! hahahaha
    Que bom que gostaram e .. que bom que surtaram. Sim, é bom,tá? Pra mim pelo menos é… hihihih =p

  7. Leticia permalink
    04/24/2011 7:43 PM

    Ah não será que aguento até domingo que vem…
    Nossa tadinho do Zach, eu senti a dor dele agora…
    Ainda tenho a esperança deles trazerem a Sra. Karp de volta (como dizem a esperança é a ultima que morre)…
    rsrsr…
    é a Rose sempre será a Rose, tenta de td para salvar todos…
    Espero que ela não saia muito ferida dessa luta…
    beijos…

  8. nicole permalink
    04/25/2011 8:37 AM

    AAAAAAAAAAA little do ceu!!! eu estou a mil aqui serio!!
    esse cap ta d+,me deixou tremendo,nervosa ansiosa e etc!! rsrsr
    aa é claro q a Rose ia querer abraçar o mundo né?!! mais isso é oq mais gostamos nela!!
    quero mais little!!
    bjaooo

  9. 04/25/2011 7:56 PM

    Sério Little, como pode fazer isso comigo?? Eu juro que…. bem, eu não juro nada, a não ser que você faça de Rose uma garota muito corajosa e mate e Sr. Karp com muita raiva,porque é com isso que eu estou agora Raiva, EU JURO QUE EU MATO A Sr. karp, eu sei que eu tinha dito que eu não ia jurar nada, mas eu mudei de ideia, enfim, não vou fazer voc perder seu tempo comigo, apesar de que gostaria, háhá, mas enfim, to feliz por Rose não fazer isso com o Little Dhampir, Zach, ele não merece ser trocado por dimitri (apesar de que, provavelmente, se Rose não fosse esperta, ela faria isso) mas Rose foi esperta o suficiente para não confiar em um strigoi e um blábláblá, mas enfim, triste e feliz por logo acabar a fanfic, OMG, ansiosa para os proximos capitulos, beijos – agora to indo escrever na minha fanfic, háhá, beijooos e boa semana (E BOA PASCOA MT ATRASADA, HÁHÁ)

  10. 04/25/2011 8:00 PM

    P.S.: Eu não sabia que meu texto ali em cima foi tão grande.
    P.S.²: Sorry :/

  11. Laís permalink
    05/01/2011 11:38 AM

    Hey guys, estou sofrendo por antecipação. A fic da Little está acabando (e ela nos tortura postando uma vez por semana só… rs) e gostaria de saber se alguém tem alguma dica de fic sobre VA…. andei lendo algumas, mas são mto ruins!

    Por falar nisso Little, depois que vc terminar a fic e finalmente puder ler LS vc tem a intenção de continuar escrevendo?

  12. .:Little.Crazy.Dhampir:. permalink
    05/01/2011 12:24 PM

    Oi Láis.. então… depois que eu terminar a fic, sabe-se lá quando, e tiver lido o LS, eu não tenho planos de continuar escrevendo. Pelo menos não fanfics de VA. Isso não quer dizer que um dia eu me inspire e escreva algo quando a saudade da série realmente apertar. Um conto ou algo assim, mas fanfic eu acho complicado msm.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: